COMUNIDADE CRISTÃ

maio 15, 2008

DESCOBRINDO TRIBUNAIS [COM BASE EM MATEUS 7:1-5]

Filed under: Uncategorized — comuncrista @ 11:14 pm

 

Há pessoas que são assim expansivas e alegres, gostam de contar anedotas e fazer piadas, e isso com uma graça e um brilhantismo que podemos dizer que são palhaças, no melhor sentido da palavra, aonde chegam armam um circo. Há outras que têm o dom do ensino, são pedagogas por natureza. Sabem comunicar aquilo que conhecem com grande eficiência, aonde chegam há quem se sente ao seu redor para ouvir e receber o seu ensino. Elas vivem armando escolas. Há, ainda, aqueles cuja presença impõe uma ordem, elas motivam as pessoas a ações, a atos de coragem e heroísmo. É impressionante como são organizadas e organizadoras. Aonde chegam armam quartéis.

 

Mas hoje eu quero lhes falar de um quarto grupo de pessoas. O palco destas não é o picadeiro, seu material de trabalho não é a lousa, nem seguem ditando a marcha daqueles que estão ao seu redor. Hoje eu quero lhes falar sobre os que armam tribunais. Sobre aqueles que vivem colocando seus semelhantes, amigos e parentes, e não raro a si mesmos, diante de cortes de justiça.

 

Todo mundo para eles é um réu em potencial; eles não têm relacionamentos, têm processos; estão o tempo todo formulando ou recebendo queixas, denúncias…construindo casos; não dão opiniões, emitem sentenças. Se não são juízes por ofício, o são por vício. Faltam magistrados no Judiciário, mas eles abundam por toda parte, em casa, no trabalho, na escola e até mesmo na igreja de Cristo Jesus.

 

O texto que propomos no título faz parte do Sermão da Montanha e é um imperativo no sentido de que não sejamos juízes de nossos irmãos. João já nos disse que Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele (Jo. 3:17). E o mesmo Jesus, que não encarnou na condição de juiz, nos diz que nós não devemos julgar aos nossos semelhantes.

 

E por que não devemos julgar os nossos irmãos?

 

1.       Porque Deus não nos confiou esta autoridade. Assim, quem julga o seu irmão está usurpando um poder e um direito que o Pai reservou exclusivamente para si na presente dispensação;

 

2.       Porque como irmãos somos suspeitos para exercer juízo sobre eles. Nós somos sempre família do réu, e o nosso lugar não é a cátedra de juiz, mas o banco humilhante e frio, especialmente reservado para os parentes de quem está sendo julgado;

  

3.       Porque também somos culpados de nossos próprios pecados. Como pecadores, temos consciência que chegará o momento em que seremos julgados pelo bem ou mal que tivermos praticado. Somos réus no tribunal da graça e da misericórdia de Deus;

 

4.       Porque o fato de sermos igualmente pecadores, impede que vejamos os pecados de nossos irmãos de forma adequada, para que possamos fazer qualquer juízo válido e competente;

 

5.       Porque quando julgamos alimentamos o monstro das relações judicantes, que findarão apor vitimar a nós mesmos.

 

Alguns podem dizer que este tipo de postura estimula a impunidade no meio da igreja e finda por favorecer um tipo daninho de permissividade. Eu creio que não!

 

É minha função dizer que o adultério é pecado. E o adúltero? Entreguemo-lo ao Senhor. É minha obrigação ensinar que o homossexualismo é pecado. E o homossexual? Entreguemo-lo a Deus. É minha obrigação afirmar que a mentira é pecado. E o mentiroso? Entreguemo-lo a Deus.

 

O que torna tão difícil fazer isso, não é o zelo pela santidade e pela pureza do corpo de Cristo, é a nossa ânsia, quase irresistível, pelo exercício judicante em desfavor de nosso semelhante.

 

O que fazer para se livrar do hábito de armar tribunais?

 

1.       Reconheça que o seu pecado é maior do que o de seu irmão (argueiro e a trave). Quanto mais nós nos conhecemos, mais nos damos conta de nossas fraquezas e pecaminosidade. Eu não conheço a ninguém tão bem como eu conheço a mim mesmo;

 

2.       Dedique-se ao seu processo de santificação e não àquele que está sendo desenvolvido pelo seu irmão (tira primeiro a trave de teu olho). Cada um tem o seu próprio desafio de construção de um mundo interior mais puro e harmônico, não há tempo para sermos operários deste projeto pessoal e, simultaneamente, fiscais dos alheios. Quando nos dedicamos a esta tarefa, deixamos de lado aquela;

 

3.       Aconselhe seu irmão sobre o que você entende ser certo ou errado, à luz da Palavra de Deus. Se necessário faça isso com uma ou duas pessoas amigas, que lhe ajudem nesta tarefa, e depois, caso ele não lhes dê ouvidos, entregue-o ao Senhor (Mat. 18:15-17);

 

4.       Renuncie (peça demissão em caráter irrevogável) da função de juiz de seu irmão e peça perdão a Deus por durante tanto tempo ter ocupado indevidamente uma função que é só dEle. Quando no futuro se sentir tentado a voltar a julgar alguém, ou lhe pedirem para fazê-lo, diga: “Desculpe, eu não posso. Estou aposentado depois de muitos anos de serviço” 🙂

 

O difícil não é conhecer a Jesus, é amá-lo; o difícil não é entender a sua mensagem é acatá-la; o difícil não é saber qual é a sua vontade, mas obedecê-la. É por isso que Jesus disse que “aqueles que ouvem estas minhas palavras e as pratica é semelhante ao homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha…” (Mat. 7:

 

Reflita sobre as seguintes questões:

Ao julgar eu sou mais severo com o meu próximo ou comigo mesmo? Que benefício traz ao mundo estes constantes julgamentos a que me habituei? Que valor tem o juízo de quem não tem legitimidade para julgar?

 

Parar de julgar é como fazer uma dieta, não adianta nós nos comprometermos que não nos excederemos mais, que a partir de “amanhã” será diferente. A única coisa que resolve mesmo é parar agora, simplesmente isso.

 

Com carinho,

 

Martorelli Dantas

Anúncios

5 Comentários »

  1. Taí…
    Reconheço que esse texto tem muito a ver comigo, pois eu resolvi pedir exoneração urgente de uma função que eu nem sabia que não era minha!
    De fato, confesso que durante muito tempo eu me vi incomodada particularmente em relação a pessoas muito próximas -diga-se de passagem, cultas e bem informadas, e isso era “o que mais pegava” – que fazem parte de uma denominação fundamentalista.
    E aí… não deu outra: de conselheira a juíza foi um passo!
    Pronto, parei:)
    Com a ajuda de Deus!
    R.

    Comentário por Regina Farias — maio 17, 2008 @ 10:51 am

  2. Valeu,gostei muito de sua colocaçâo,continue assim ajudando outras pessoas.Sua colocaçâo vai me ajudar muito no estudo de celula na proxima terça.DEUS os abençôe. amem

    Comentário por graciema teles — agosto 24, 2008 @ 6:54 pm

  3. Difícil tarefa! No entanto,sou grata pela oportunidade de meditar a esse respeito. Buscar e acatar a vontade de Deus, tem sido para mim um desafio e ao mesmo tempo privilégio.
    Penso que trazer com propriedade os ensinamentos é dom, muito amor e empenho.Portanto, peço a Deus que esses e outros”ingredientes” sejam fartos na sua vida para abençoar muita gente.

    Comentário por Tercia B. de Santa Clara — abril 6, 2009 @ 12:45 pm

  4. Querido professor Martorelli, sempre com uma iluminação doce e feliz. Continuo orando por você. Quanto ao texto, outros já opiniram bem mehor do que eu poderia fazer.Lindo, urgente,necessário! Um abraço.

    Comentário por EDMILSON MARINHO — julho 10, 2009 @ 5:03 pm

  5. Tudo muito bonito, muito agradável, porém, um erro. Temos que interpretar a escritúra com o “também esta escrito. . . “. O Senhor ordenou em seu ensino, e, também pelos Seus apóstolos que pessoas que estão em pecado, por estarem vivendo em pecado e/ou por não se posicionarem contra o pecado, se arrependendo, tais pessoas devem ser afastadas da comunhão da comunidade cristã. A comunidade cristã não pode se misturar com o pecado por meio da cumplicidade. Efésios 5: 3 – 11 deixa claro que não podemos ser cúmplices das obras das trevas, temos a obrigação de reprová-las. E, quem pratica tais obras – impureza, avareza, etc. – não tem herança no reino de Cristo e de Deus. 1Co capítulos 5 e 6 deixa claro que a comunidade cristã deve exercer julgamento e, não pode conviver com aqueles que se dizem irmãos e são “impuros, avarentos, idólatras, maldizentes, beberrões, roubadores . . .” “com esses nem devemos comer”. A ordem do apóstolo de Cristo nesses casos é: “expulsai, pois, de entre vós o malfeitor.”. Em Mateus 18 o Senhor Jesus instruiu que quando irmão está em pecado, devemos tentar resgatá-lo, por meio de ele se arrepender e se posicionar contra o pecado. Primeiro devemos tentar pessoalmente, se ele não quiser ouvir, devemos levar mais 1 ou 2 pessoas. Se, ainda não quiser se arrepender, toda a igreja ( a comunidade cristã) será chamada para tratar a questão, e se ele não quiser ouvir a igreja, deverá ser considerado como um gentio e publicano. E, a isso o Senhor chamou de ligar ou desligar na terra e no céu. Não querer praticar essas doutrinas é desobedecer o Senhor. Deixar “levedar a massa”, e não “expulsar o malfeitor” é desobediência. Isso é fazer mal para a igreja de Deus, facilitando ainda “tropeçar os pequeninos”. Eu não posso declarar nada sobre o julgamento que o Senhor realizará no final dos tempos sobre as pessoas. Mas, sobre a vida em comunidade cristã, hoje, essas práticas, e essas pessoas ligadas ao pecado devem ser tratadas em conformidade com o que o Senhor determinou para a igreja fazer. Para tirar o cisco no olho do irmão primeiro eu preciso tirar a trave do meu. Se eu for reprovar um irmão pela prática de adultério, e, eu mesmo estou em pecado de imoralidades, se estou vivendo nessas práticas e não me arrependo delas, então, não poderei “tirar o cisco do olho do irmão”. Com o critério que eu julgar, eu serei julgado. Temos a possibilidade da purificação, da restauração, mas, passa pela confissão e arrependimento, posicionando-se contra o pecado.

    Comentário por José Dante — outubro 3, 2014 @ 7:50 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: